Etiqueta em tempos cibernéticos (I)

Alienação virtual

A tecnologia da informação provocou uma extraordinária transformação no armazenamento, operação e comunicação de dados, bem como na mineração e cruzamento de informações, nunca antes imaginada, com fantásticas facilidades e inovações em pesquisas, na ciência, na produção e nos negócios, na gestão pública e privada. Ademais, possibilitou maravilhas em termos de conexão de pessoas e redes sociais à distância, em tempo real e a custo zero.

Mas essas ferramentas tecnológicas são também passíveis de mau uso por falta de uma educação digital. O problema começa nos locais de trabalho: convidados para uma reunião onde se pretende conversar, discutir e encaminhar uma pauta, as pessoas integrantes da reunião muitas vezes nem sentam à mesa sem antes ligar seus notes, tablets ou androides, dando início imediato ao que se poderia chamar de “desmobilização da reunião”. Todos os olhares se voltam para as telas, parecendo que inexistem pessoas na reunião. E muitas vezes é a maior autoridade da reunião que assim procede.

O mesmo ocorre nas salas de aula das universidades: aparelhos ligados, facebooks conectados e professores dando aula “às moscas”…

Ademais, em casa, no trabalho, no bar ou restaurante, e até mesmo no cinema ou no teatro, está se tornando cada vez mais comum o constante e irritante tilintar dos mais diversos ruídos, alertas para chamar a atenção das pessoas acerca de chamadas ou mensagens, que interrompem bate-papos, raciocínios, namoros ou espetáculos.

Em alguns casos é admissível a atenção voltada ao microcomputador. Por exemplo, na área da saúde, quando o profissional necessita registrar informações de seu paciente. Mas os bons profissionais do ramo primeiro ouvem, perguntam e fixam sua atenção na pessoa, no paciente, para depois efetuarem seus registros.

O inadmissível é que em reuniões profissionais estratégicas seja necessário conversar, ouvir, comunicar, de olho em tais maquinetas. Em realidade, estas ferramentas ligadas nada acrescentarão ao raciocínio, ao diálogo ou às alternativas em discussão, pois a maioria dos participantes destas reuniões estará nada mais nada menos do que lendo suas mensagens de e-mail, skype, msn ou facebook, por puro vício ou ansiedade.

Mas o pior mesmo é quando alguém diz: “vai falando que estou te ouvindo, sou auditivo e não visual”, como se conversar não fosse interagir, olhar e prestar atenção no interlocutor, inclusive em sua comunicação gestual.

Lembro aqui Rubem Alves relatando um diálogo tribal, no qual quando alguém da tribo falava todos ouviam; e após alguém falar transcorria certo tempo de obsequioso silêncio, uma demonstração de respeito e sinal de que todos estavam pensando no que acabara de ser dito.

É forçoso concluir: tribos atrasadas aquelas, conseguiam fazer reuniões e conversar sem notes, tablets nem androides…

Jornal Zero Hora (RS), 12/07/2012 – Antonio Carlos Brites Jaques – Economista e consultor, ex-secretário de Estado da Fazenda do RS

Anúncios

  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: