As dicas de Sebastião Rosa da Imaginarium e de Luiza Trajano para quem pretende empreender

Presidente do Magazine Luiza e fundador da rede Imaginarium encerraram o 5º E Encontro PME, que aconteceu nesta quinta em São Paulo

Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão – Sebastião Rosa: fundador da Imaginarium participou da quinta edição do Encontro PME

Ter um propósito para criar e desenvolver seu negócio é primordial para o empreendedor na visão de dois grandes  empresários. Luiza Trajano, do Magazine Luiza, e Sebastião Rosa, da Imaginarium, participaram nesta quinta-feira, 6,  do Encontro PME, em São Paulo, para contar um pouco sobre suas trajetórias e dar conselhos para quem pretende seguir o caminho do empreendedorismo.

“O empresário tem que ter um propósito. Não é só ganhar dinheiro. Depois de uma certa idade, R$ 10 mil, R$ 20 mil  não vai fazer diferença. O que muda é o que vocês estão fazendo. E a maior dificuldade é não perder esse propósito.  E não adianta ele estar na parede, precisa estar dentro da pessoa”, afirmou Luiza.

Já Sebastião largou a profissão de médico e mudou de cidade em busca de qualidade de vida. O negócio foi uma  consequência. Mas entre 2003 e 2004, quando a rede faturava R$ 50 milhões, ele percebeu que a qualidade de vida que  tanto buscou estava se perdendo junto com a qualidade do trabalho.

“Tivemos uma segunda mudança, de preparar a sucessão e contratar um profissional de gestão para a empresa”, contou.

Combustível. Um pouco antes de Luiza Trajano e Sebastião Rosa, a paixão pelo negócio somada a uma boa dose de  cautela foram lembrados por Renata Frioli, fundadora do Bolo à Toa, e Jorge Bitar Neto, da Helimarte, como os  combustíveis para o sucesso experimentado por ambos em seus respectivos negócios.

Eles abriram o evento, por volta das 8h, relembrando o início da carreira empreendedora. “Como boa filha de  mineiros, sempre tive paixão por fazer bolos. Sentia a necessidade de uma loja com estilo do interior em São Paulo.  Então adaptei as receitas de minha vó e acreditei em meu negócio”, contou Renata, que montou a primeira unidade da  Bolo à Toa no final de 2011 em Pinheiros e, neste momento, prepara o lançamento da segunda, prevista para inaugurar  em julho, no bairro do Itaim Bibi.

De certa forma, o impulso inicial de Renata guarda semelhanças com o de Jorge Bitar, que por não ver opções de  crescimento no posto de gasolina do pai, resolveu estudar pilotagem de helicópteros e acabou se apaixonando pelo  trabalho. “Eu tinha a necessidade de crescer e ampliar os meus horizontes”, confessa o empresário,que hoje fatura  cerca de R$ 14 milhões com o serviço de táxi aéreo.

Pouco dinheiro. Na sequência, Ernesto Villela, da Enox, e Thái Quang Nghiã, da Goóc, falaram de um desafio que estão para lá de habituados: tocar uma empresa com pouco dinheiro à disposição.

Com foco na gestão e criatividade na  condução dos recursos eles afirmar que, de certa forma, dispor de um bom capital pode ser importante, embora não  seja determinante para o futuro de um negócio.

Sócio-fundador e diretor da Enox, empresa pioneira e uma das líderes  no mercado de mídia indoor, Villela conta que  ergueu a empresa com R$ 20 mil em 2004 (R$ 5 mil de cada um dos sócios) e, desde então, sobrevive e ganha terreno no  setor sem nunca tomar um empréstimo sequer, apesar das investidas de fundos de capital de risco e de investidores,  interessados em se associar ao empreendedor.

Já Thái Nghiã, da Goóc, que após um início meteórico em 2004, chegou à beira da falência em 2011, diz investir  pesado na gestão dos recursos para sair do “menos zero” que se encontrava até os R$ 12 milhões planejados para este  ano.

“A gente tinha um planejamento anual com revisões mensais e hoje tenho um planejamento mensal com revisões  semanais”, conta o empresário, que chegou a faturar R$ 60 milhões em 2010 e após o incêndios da fábrica em que  investiu R$ 5 milhões um ano depois, perdeu toda a produção e viu-se obrigado a cancelar todos os contratos de  fornecimento.

Novo empresário. Por sua vez, os especialistas Amisha Miller, da Endeavor, e Thiago de Carvalho, do Insper, trataram  do novo perfil do empreendedor brasileiro, que agora não monta uma empresa motivado apenas pela necessidade, mas  sobretudo pela oportunidade do setor.

“O que acontece no Brasil que é muito positivo é uma mudança de cultura na qual as pessoas estão mais empreendedoras  por oportunidade do que por necessidade”, afirma Amisha Miller, gerente de pesquisas e políticas públicas da  Endeavor, entidade que fomenta o empreendedorismo pelo mundo.

Coordenador do Centro de Empreendedorismo do Insper, Carvalho concorda. Ele ressalta os avanços brasileiros no  setor. Mesmo assim, o professor ressalta que ainda há um longo caminho a se percorrer, principalmente no âmbito do  suporte a quem está em estágio inicial.

“O Brasil está décadas atrasados em alguns aspectos. O investimento anjo há 30 anos começou a ser discutidos nos  Estados Unidos e, aqui, começou há três anos”, afirma.

No campo dos desafios, Thiago Carvalho reforça que a decisão de abandonar o emprego formal e se aventurar em um  negócio próprio está entre os principais momentos. Ele afirma que antes de iniciar uma operação, o candidato precisa  ter certeza em sua opção pelo empreendedorismo como opção de carreira. “(O desafio) é entender o que vai mudar na  sua vida e como você vai se adaptar”, diz.

Para Amisha, no entanto, o obstáculo a se transpor no Brasil é a captação de dinheiro. “Se a pessoa não tem uma  capacidade, tem de ir atrás de se capacitar desde o início para resolver o problema”, conclui a especialista.

ESTADÃO PME, 5 de junho de 2013

Anúncios

, , , ,

  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: